Tudo sobre Mastologia

CONHEÇA OS PRINCIPAIS PROCEDIMENTOS EM MASTOLOGIA E SUAS INDICAÇÕES

Você já deve ter percebido pela insistência dos médicos e pela divulgação constante nos meios de comunicação o quanto as doenças das mamas são importantes. As campanhas voltadas à saúde da mulher, relacionadas à prevenção e a divulgação dos exames de rotina, desenvolvidas por parte do governo e dos setores especializados, consomem milhões de reais todos os anos.
Esse fato se justifica pela abrangência dessas doenças das mamas, presentes em todo o território nacional (e no mundo também!), em todas as épocas do ano, afetando milhares de mulheres e, logicamente, consumindo milhões e milhões de reais, dessa vez, para tratamento e reabilitação dos pacientes.
Como existem muitas dúvidas em relação aos principais procedimentos cirúrgicos envolvidos no tratamento dessas doenças das mamas, resolvi resumir de maneira bastante simples os principais tipos de tratamentos cirúrgicos, contribuindo assim para o adequado esclarecimento das pacientes e principalmente para que, com essas informações, possamos minimizar a enorme ansiedade que também “ronda” o tema :

Cirurgia oncoplástica

Nos dias de hoje, todos os procedimentos cirúrgicos realizados nas mamas, por motivos óbvios, devem levar em consideração a manutenção, quando possível, da forma e função das mamas.
A mama para a mulher é a própria expressão da feminilidade, possuindo um grande componente psicológico e social associado.
Cirurgia oncoplástica consiste no conjunto de estratégias cirúrgicas que têm por objetivo a manutenção da forma e função das mamas, dentro das possibilidades da doença em atividade.
Nós enquanto mastologistas, cirurgiões das mamas, cada vez mais adotamos as estratégias oncoplásticas para que possamos atingir o melhor objetivo terapêutico com o menor comprometimento estético das mamas. É importante que nunca percamos o foco na patologia, na doença da paciente e essa é nossa prioridade absoluta enquanto médicos, mas devemos ter em mente que a doença do corpo e a doença da mente, psicológica e social, estão intimamente interligadas.

Punção aspirativa de cistos mamários ou outras lesões

Realiza-se a retirada por aspiração de liquido ou amostras do cisto mamário, sob anestesia local, sendo a orientação do procedimento realizada por ultrassonografia ou outro método de imagem.

Biópsia percutânea (Core Biópsia)

Realiza-se a retirada de fragmentos do nódulo mamário, sob anestesia local, com um dispositivo automático, sendo a orientação do procedimento realizada por ultrassonografia ou outro método de imagem.

Marcaçao pré-cirurgica

Realizamos a marcação pré-cirurgica do nódulo ou da alteração que iremos operar, guiada por imagem (ultrassom, mamografia ou ressonância), para que possamos localizar a alteração ou o nódulo durante a cirurgia com a máxima precisão. A marcação é geralmente realizada antes da cirurgia ou durante a cirurgia, no caso das lesões que náo podem ser palpadas.

Exérese de nódulo mamário

É a remoção cirúrgica de um ou mais nódulos mamários que serão enviados para análise laboratorial para esclarecimento. Pode ser utilizada a marcação prévia do nódulo com fio guia metálico ou com substâncias radioativas para orientar o cirurgião quando o nódulo ou a lesão alvo náo é palpável.

Setorectomia mamária

É a remoção cirúrgica de um setor mamário contendo a lesão diagnosticada por métodos de imagem (mamografia e/ou ultrassonografia) ou pequenas lesões palpáveis. Aqui, retira-se uma pequena quantidade de tecido mamário normal ao redor da lesão (margem de segurança). Da mesma forma, pode-se realizar a marcação prévia com fio guia metálico, para orientar o cirurgião.

Ressecção Parcial ou Única de Ducto

Retirada de ducto mamário (ou vários ductos). Tal cirurgia é indicada nos casos de liquido, secreção ou fluxo papilar que necessita ser investigado. A paciente apresenta um “corrimento” que geralmente deixa manchas no sutien.

Ressecção da Árvore Ductal

Retirada de parte ou todo o sistema ductal abaixo da aréola e papila (são os tubinhos que levam o leite para fora da mama), que são retirados até uma profundidade de 2 cm. Indicada em alguns casos aonde é necessário a investigação de alterações suspeitas nesses ductos, geralmente manifestadas pela saída de liquido cristalino ou sanguinolento pela papila (bico dos seios).

Biópsia de Congelação

É a retirada da lesão suspeita da mama e envio imediato dessa lesão (na hora da cirurgia) para um médico patologista. O patologista avaliará a lesão e a partir desse diagnóstico imediato, o cirurgião avaliará a melhor forma de continuar a cirurgia, poupando ao máximo a mama e a região axilar da paciente.

Biópsia do Linfonodo Sentinela 

É a retirada do linfonodo sentinela (primeiro linfonodo a receber a drenagem linfática que vem da mama que está sendo operada) sendo este o primeiro linfonodo a receber e tentar “barrar” as células tumorais metastáticas oriundas do tumor. Pode-se fazer a marcação prévia desse linfonodo com substância radioativa ou através da injeção de corante azul no momento da cirurgia. O linfonodo retirado é imediatamente analisado pelo patologista (congelação). O patologista avalia se o linfonodo está ou não comprometido pelo tumor. Se houverem células do tumor no linfonodo sentinela, prossegue-se com a retirada de todos os linfonodos da axila. Se o “linfonodo sentinela” for negativo para células do tumor, não será necessário realizar a retirada dos outros linfonodos, via de regra.

Esvaziamento ou Linfadenectomia Axilar

Retirada dos linfonodos axilares. Como citado anteriormente, é realizado quando há comprometimento do linfonodo sentinela, avaliado durante a cirurgia. Quando encontramos células do tumor da mama nos linfonodos da axila, pode estar indicado tratamento com quimioterapia após a recuperação da cirurgia.

Mastectomia Poupadora de Pele, Adenomastectomia Subcutânea ou Mastectomia Subcutânea
( Angelina Jolie)

Retira-se o conteúdo da mama e coloca-se prótese de silicone no mesmo momento, preenchendo o espaço antes ocupado pela glândula mamária que foi retirada. Realizada nas pacientes de alto risco genético comprovado (teste genético realizado na paciente) ou com o objetivo de redução do risco de retorno da doença em pacientes jovens com diagnóstico de câncer de mama. O procedimento vem sendo avaliado como medida preventiva, redutora do risco de desenvolvimento da doença, nos casos selecionados.

Mastectomia Simples

Retira-se todo o conteúdo da mama (glândula e gordura), a pele, aréola e mamilo, sem abordar a axila. Procedimento realizado nos casos mais avançados de câncer de mama, quando estão presentes feridas ou infectado, para limpeza da região.  Indicada também em outros casos específicos.

Mastectomia Radical Modificada

Retira-se o conteúdo da mama (glândula e gordura), a película que recobre o músculo peitoral maior, pele, aréola, mamilo e realiza-se a retirada dos linfonodos axilares. É realizado nos casos de tumores malignos maiores ou nos tumores pequenos, porém múltiplos na mesma mama e quando os linfonodos da axila estão comprometidos pelas células do tumor que vieram da mama.
Quando o tumor compromete o músculo peitoral, é necessária a retirada da porção muscular comprometida, com margem de segurança.